domingo, 22 de janeiro de 2017

Maria Emilia B. Teixeira


Às vezes tenho um olhar ingênuo diante de certas coisas que eu não deveria ter... Deve ser obra  da menina dos olhos com sua educação e delicadeza.

2 comentários:

  1. Detenho-me a vida inteira sob toda circunstância em que a ingenuidade se manifeste. Sempre dizemos que não deveríamos ter sido ingênuos... Mas pergunto-me se esse dever, imposto pela maldade que se prevalece de nossa ingenuidade, não é um dever que nos fere na essência do que somos! Deveríamos, de fato, não ser ingênuos?! Um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prefiro manter minha essência independente da maldade alheia.Bom fim de semana.

      Excluir

Obrigada pelo seu comentário.