segunda-feira, 27 de abril de 2015

Maria Emilia B. Teixeira


Baixou Clarice em mim.
Esperança no meu caso virou artigo de luxo ultimamente.
Difícil essa arte de ser gente.
Sem energia... Uma pilha de nervos.
Meu lençol e o meu amigo travesseiro me abraçam na tentativa  envolvente do sono e do sonho. Renovando minhas forças para o novo dia que vai estar por nascer.

domingo, 26 de abril de 2015

Maria Emilia B. Teixeira


Tirei esse domingo para dançar e espantar medos bobos... Nuvens negras.
A coragem me disse que tudo passa e não adianta fugir de verdades que são endereçadas para agente... Pois o segredo e tentar se distrair para as nuvens clarearem as ideias e situações.
A fé me disse que não devo sofrer por antecedência, pois quem antecipa acontecimentos atrapalha os planos Deus.

domingo, 19 de abril de 2015

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Maria Emilia B. Teixeira


Todos os dias, na volta para casa, eu arranjei esse jeito bonito para descansar o meu cansaço, te observo e até converso contigo, sentada dentro de um ônibus lotado.
Hoje você estava mais bonito... Céu... Você pintou de cor-de-rosa o meu fim de tarde, fez uma composição bonita com o marrom do outono com suas folhas caídas na estrada.



quarta-feira, 8 de abril de 2015

Maria Emilia B. Teixeira


Escrever é se desvendar de qualquer forma para qualquer interpretação.
Haverá quem te entenda e haverá também quem te rotule.
É por essas e não pelas outras que continuo.

sábado, 4 de abril de 2015

Maria Emilia


A boca cala, mas os olhos falam... Algumas respostas são enviadas assim... Através da claraboia do olhar.
Um diálogo saindo dos olhos, para quem sabe interpretar.
Dentro dele cabem muitas coisas...  Sentimentos variados... O silêncio nunca foi ou será um texto vazio.