domingo, 26 de fevereiro de 2012

Maria Emilia B. Teixeira




Bumerangues que me lançam
Sempre ficam em minhas mãos.
Não os lanço de volta.
Alguns me machucam... Mas não tiram o meu equilibrio.
Não faço uso do direito de retorná-los.
A vida faz esse papel melhor que eu.
O retorno vem do alto.
Para aqueles que os lançaram com a intenção de apenas fazer o mal.

sábado, 25 de fevereiro de 2012

Maria Emilia B. Teixeira




Caixa oca

Presentes em datas especiais ou fora delas.
Não preenchem lacunas vazias de convívio.
Caixa oca, sem significado e sem nenhum valor.
Não substituem a presença de anos sem afinidades e indiferenças.
Não são bem vindos.
Não perca seu precioso tempo com presentes insignificantes.
Seu coração não está dentro dessa caixa.
Presentes são pessoas com laço afetivo.
E não a sua hipocrisia.
Gente falsa tem cheiro de mentira.

Maria Emilia B. Teixeira




Ando nublando


Não me venha com seu inverno sombrio e frio.
Não quero nublar com sua influência.
Estou tentando ser verão que sempre fui.
E que em algumas estações da minha vida deixei de ser.
Quero a luz.
Quero o sol e ser feliz.
Não quero a sua sombra.
Fique só.
E congele.

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Maria Emilia B. Teixeira




Não me venha com interrogação
Não me pergunte sobre a minha história.
Em que ponto ela está ou deveria estar.
Ela se encontra na reticência do pensamento.
Incompleta... Esperando a minha decisão.

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Maria Emilia B. Teixeira




Que vontade de poder zerar a vida, começar tudo de novo... Recomeçar do zero. Utopia.
Se posicionar diferente diante dela.
Não ter a sensação que em alguns momentos deixei de escrever algo.
E simplesmente deixei folhas em branco, deixando o tempo escrever, e ele não escreveu o que era a minha porção na história a ser vivida.
A vida exige nosso posicionamento.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Maria Emilia B. Teixeira





Outro dia recebi a visita da solidão.
Entrou, pois achou a porta encostada por um descuido meu.
Ficou pouco tempo, querendo minhas lágrimas.
Não lhe ofereci hospedagem.
E fui logo avisando: Não quero amizade contigo.
detesto sua visita  que é nada agradável.


quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012