domingo, 27 de janeiro de 2013

Maria Emilia B. Teixeira


A morte não tem educação.
Vai chegando.
Lendo a lista.
Convoca os escolhidos...Sem opção.
Arranca uma historia escrita.
Lacuna no coração.

sábado, 26 de janeiro de 2013

domingo, 13 de janeiro de 2013

Maria Emilia B. Teixeira


O Facebook

Curtimos a foto e elogiamos de montão, momentos únicos de recordações.
Comentamos um fato e a nossa indignação.
Compartilhamos em coletivo a mesma opinião
Batemos papo com amigos e parentes distantes nessa rede emocionante.
Alguns Namoram e xavecam e a noite vira uma criança.
Cutucamos quem gosta da gente e quem se faz ausente.
Postamos o nosso dia a dia com fotos e mensagens.
Dirigida para agente mesmo ou uma indireta para quem está online.
Viramos um pouco poetas do facebook.
Com nossas mensagens de auto-ajuda.
Isso não deixa de ser um Big Brother.
Quando fazemos o login.
Com o facebook nos fazendo uma seqüência de perguntas dirigidas a cada um.
Ele nos pergunta:
Como vai, fulano?
_Não queira saber.
Como está se sentindo, beltrano?
_Virou psicólogo?
O que está acontecendo, sicrano?
_Não conto.
Como vocês estão?
_Não insista.
Dependendo de como está o nosso humor do dia.
Respondemos ou perguntamos.
O que ele tem a ver com isso?
Só falta agora ele brigar com a gente com a nossa resposta em sua rede social.
Não podemos reclamar nem responder com grosseiras.
É muito legal interagir na rede noite e dia.
Se fomos nós quem oferecemos nossos dados e ele sabe alguma parte de  nossas vidas.
O nosso perfil o mundo todo vê e novos amigos vão querer nos conhecer.
Serão sugeridos por ele, mas cabe a nós escolher.
Ou se a gente nas configurações limitar aquelas pessoas que podem nos ver e querer conhecer.

Maria Emilia B. Teixeira


A falta de oportunidade e a força dos pais referente ao estudo deixam muita gente boa com potencial no escuro.

Maria Emilia B. Teixeira



Não deixar que um montinho.
Se transforme em montanha de mágoas.
Esse é um dos segredos... 
Para manter uma vida de casado.
Muito perdão e diálogo.

Maria Emilia B. Teixeira


Eu te sigo.
Você me segue.
Eu te leio.
E tu me lês.
Quem sabe um dia possamos nos ver.
E quem sabe em duas mãos podemos escrever.
O que transborda dentro de mim e o que transborda dentro de você.
Escrever um livro atemporal para o mundo ler.
É muita pretensão, mas sonhar faz o pensamento ter poder.

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Maria Emilia B. Teixeira


A porta está fechada.
O passado...Já passou.
Não quero sentir várias vezes.
O estrago que tu causou.
Não sei se percebeu.
Pois outra vida.
Já começou.

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

Maria Emilia B. Teixeira


Além do necessário

Tem certas coisas difíceis de fazer entender.
A interpretação dos diálogos...
Você fala uma coisa e interpreta-se outra.
Uma fala vira uma discrepância.
Sem a sua intenção.
Falta a boa vontade do entendimento e um pouco de empatia do ouvinte.
A inverdade é repassada e o mal-entendido gerado.
Tenho por hábito, ser coerente.
Penso, sinto e digo.
Se não é para viver e for eu mesma, não faz sentido a minha vida.
Se estiver difícil me entender eu não vou mais me retratar.
Cansei e larguei de mão quem não tem respeito por minhas atitudes e opiniões.
Sou transparente muito além do necessário.
Avesso e direito e meus defeitos.


quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

Maria Emilia B. Teixeira


Quando o meu coração me aperta... Eu venho aqui e disserto.
Incessantemente...
Não dou voltas.
Dois pontos não é meu estilo.
Vou direto ao ponto.
E pronto!
Escrever virou um vício.